wibiya widget

sábado, dezembro 06, 2008

Um Conto de Natal

Porque é que há uma estrela no topo das árvores de Natal?

Os restantes poetas aqui do tasco provavelmente já conhecem a história. Todos os anos alguma mente menos esclarecida pede-me que partilhe com ela esta encantadora história que um dia se terá passado algures no Pólo Norte.


Este ano, pleno de visão, sabedoria e bondade, como sempre, decidi antecipadamente partilhar este singelo conto que narra a origem a da tradição de se colocar uma bonita estrela no cimo das árvores de Natal.


"Reza a lenda, que, num dia como tantos outros, o Pai Natal acordou e preparou-se para sair para o trabalho, como todos os dias. Lamentavelmente, o sr. Nicolau teve foi subitamente vencido pela gravidade e caiu redondo no chão ao sair da cama. Infelizmente para ele, o esquentador avariou durante a noite e o simpático velhinho teve que tomar o seu banho matinal em água gelada. Para ajudar à missa, ao pequeno-almoço não teve muito mais sorte: deixou queimar as torradas e entornou o leite.

Já levemente mal-disposto, o Santa saiu para a fábrica das prendas como habitualmente. Com a pressa, teve que acelerar um pouco mais e foi apanhado GNR lá do sítio (as renas só saiem em ocasiões importantes. No dia-a-dia o Pai Natal conduz um Honda Civic rebaixado). Chegado à fábrica, mais problemas: uma avaria grave na linha de montagem ameaçava atrasar irremediavelmente toda a produção de brinquedos e como se isso não bastasse, um problema no multibanco atrasou o pagamento da conta do telefone e a PNT (Pólo Norte Telecom) mandou cortar-lhe a linha.

Com a produção parada e da maneira que o dia lhe corria, o Pai Natal resolve vir para casa mais ainda antes do meio-dia para descansar um pouco. Lamentavelmente, desta vez foi a embraiagem do Civic que entregou a alma ao Criador e o desgraçado do homem não teve outro remédio senão chamar a assistência em viagem e ir de táxi para casa.

Chegado mais cedo que o habitual, tem mais um "simpática" surpresa à espera: a Mãe Natal estava num alegre "forróbódó" com um dos duendes. Gritos, objectos pelo ar, muita confusão, o Pai Natal pôs a Mãe Natal fora de casa. Um homem com "eles" no sítio.

Terminada a confusão, Nicolau resolve sentar-se um pouco no sofá a ouvir música e pensar na vida. Só que assim que ligou o seu novo surround, tocam à campaínha. Tocam e continuam a tocar e voltam a tocar... Irritado, levanta-se de repente para ir à porta só que, com toda aquela precipitação, tropeça no sofá, cai por cima do sofá, esmurra-se todo... Finalmente começa a descer as escadas para ver quem tocava tão frenetica e irritantemente à campaínha mas falhou um degrau e contou as escadas todas com a testa.

Ferido, esmurrado, ensanguentado, colérico e prestes a ter um ataque, o Pai Natal abre a porta de supetão e encontra do outro lado da porta uma estrela todo cintilante com um pinheirinho ao ombro que lhe pergunta:

- Pai Natal, mandaram-me entregar-te este pinheirinho. Onde queres que o meta?

- OLHA, SABES QUE MAIS?! METE-O NO..."


Bem, terá sido mais ou menos isto que se passou nesse dia, algures no Pólo Norte.

A estrela terá seguido a ordem do Pai Natal e desde então podemos encontrar uma bonita estrela, bem no topo de qualquer árvora natalícia.

Um santo Natal para todos.

1 comentário:

Criss disse...

estranho.. ng diria xD